BLOGOSFERA

POR FALTA DE TEMPO, ESTOU PUBLICANDO SOMENTE NO SITE: A LITERATURA NA BLOGOSFERA. PARA ACESSAR, CLICK AQUI

Roberto Piva.


São poucos os que têm uma fundamentação filosófica sobre a literatura que escreve. Mais pouco ainda são os que possuem uma verdade filosófica sobre o que escreve. A maioria, pega citações soltas, anotadas em suas agendas e bem guardadas em seus bolsos, prontas para serem usadas no momento oportuno, buscando somente o impacto, a boa impressão da frase pronta.

Dentre os que têm uma fundamentação filosófica sobre a literatura que produz, quase cem por cento pensa de uma maneira porque foram convencidos por pensadores de peso. Ou, pensam da forma que pensam para ter o seu lugar no centro. Isto é, para ser aceito. Então, estes escritores levantam bandeiras da democracia, da libertação, dos direitos humanos e advogam por elas.

Não é o que acontece com Roberto Piva. Em seu pensamento filosófico, fica nítido que primeiro ele vivenciou, e depois foi atrás de pensadores e poetas que tiveram o mesmo caminho que o dele. Só para colocar em ordem, digo: primeiro e acima de tudo, a poesia, e depois a fundamentação filosófica. Primeiro o pensamento esotérico, depois o exotérico. Ou seja: um caminho inverso do qual percorreu Platão.

Pois Platão, sabemos, primeiro deixou o seu pensamento explícito (exotérico) na linguagem técnica e truncada da Filosofia, para depois poder explicá-lo, de maneira esotérica e implícita, em seus textos literários. Mas, Platão era filósofo acima de tudo, e principalmente: um filósofo socrático, isto é: um pensador que precisa organizar e sistematizar cientificamente o conhecimento, algo que foi inaugurado por seu mestre e que, infelizmente, ainda define o que é filosofia e o que não é filosofia até os dias de hoje...

Foi o que aconteceu na modernidade, principalmente com os filósofos existencialistas como Sartre e Camus, que colocaram a literatura e a arte em favor de seus pensamentos. Não é isto o que acontece com Piva. Com Piva, repito, acontece o inverso. Primeiro ele se descobre como poeta, e, crente de suas verdades, ciente de que é de uma "tribo", vai atrás de suas origens.
Provavelmente, esta busca surgiu da necessidade de explicar-se, de fazer aquilo que não puderam fazer os críticos de seu tempo, que compreenderam a sua poesia de maneira equivocada. O quê, aliás, parece ter sido ainda um esforço em vão, visto que muitos críticos e pensadores não conseguem acompanhar seu raciocínio: Piva não é fácil.

Estando aquém, Piva vai além. Piva não é fácil. Estando na mão, pensa em contra-mão. Não compreendido, se torna marginal. Não o marginal no sentido simples, pobre ou criminoso. Marginal porque não conseguindo compreendê-lo, a comunidade filosófica o marginalizou. Chamado de arnaquista, colocaram-no no rol dos poetas desesperados, pois, a compreensão de anarquia ainda é superficial para muitos pensadores e críticos.

Quando na pergunta que o repórter da Tv Cronópios lhe faz, se a anarquia é uma crítica desesperada - na ocasião, Piva estava na Balada Literária promovida por Marcelino Freire - ele responde: a anarquia age como uma filosofia da liberdade dentro de qualquer posição que se coloque... Ou seja: como um pensamento que procura a liberdade quando a filosofia/política reinantes tem pretensões de universalidade e totalidade, aonde sempre haverá os desenquadrados, os marginalizados.

Mas Piva não para por aí. A sua revolta é a mesma de Nietzsche contra Sócrates e contra toda a razão ocidental. A sua revolta é contra o Nascimento da Tragédia Humana, cujo Sócrates é protagonista. A sua revolta é a mesma de Jacques Rancière, o qual diz que o pecado é sempre o mesmo, o maldito orgulho apolíneo do conhecimento, que quer esquecer a parte dionisíaca, a parte de sombra que une o mundo mítico e às forças obscuras da vida. Numa palavra: Piva é contra a história de "um" deus.

Uma sociedade que espera por um deus é uma sociedade inocente que se engana por qualquer falso deus. Uma sociedade que tem vários deuses, não se engana por nenhum deles. A compreensão da realidade é outra. É mais ampla. Não existe a opção do "ou este ou aquele", tal como na nossa cultura ocidental cristã monoteísta, e sim a opção do "este e aquele", como é na cultura pagã e oriental.

Portanto, Piva não é só anarquista, mas é aristocrático também. Não é só irracional, alucinado, é racional também. Não é só dionisíaco, é dionisíaco e apolíneo. Não é só poeta. É poeta e filósofo. E enquanto poeta, não escreve apenas torrencialmente, transbordando poesia, mas escreve sinteticamente também, por que não?

Entretanto, para poder compreender Piva, é preciso ser um iniciado, algo que a nossa cultura ocidental compreende como loucura. Aliás, a loucura, em si, para Piva, é algo muito triste, como ele mesmo falou numa entrevista que concedeu a Fábio Weintraub. Sobre isso, diz ele:

A loucura propriamente dita é uma coisa muito triste, horrível. Quando Huizinga fala que o louco, o poeta e a criança têm coisas em comum, ele está pensando na criação artística, na imaginação fértil, propiciatória. A esquizofrenia em si é uma coisa muito triste. Às vezes tomamos por loucura não a "doença mental" especificamente, mas as manifestações do irracional. Aquele impulso para o irracional que, conforme Pasolini, acabou fazendo do Ocidente, que tanto se empenhou em negá-lo, a vítima mais fatal. E temos aí a história que não nos desmente, não é mesmo?

(É o que afirma, por exemplo, o padre Oscar Quevedo sobre o transe do Candoblé e da Umbanda. As razões para este padre considerar os fenômenos da alta espiritualidade como loucura são muitas. Na melhor das hipóteses, podemos levar em consideração de que o padre, coitado, acredita como verdadeira apenas a razão ocidental. Na pior das hipóteses, o que é lamentável - pois passa por cima da honestidade intelectual - é que ele defende interesses pessoais e de sua igreja, sedenta por pobres e pelo dízimo...)

Necessário é ser um iniciado para compreendê-lo, uma vez que é à partir da iniciação que brota toda a sua poesia e o seu pensamento filosófico, sociológico e inclusive pedagógico. Poeta xamã, da alucinação e do delírio, isto é, da mania e da ironia, está mais de acordo com os deuses, como diz Fetro de Platão. Ora, estar de acordo com os deuses é ter humildade para aceitar que eles sabem mais do que nós, meros humanos - e que, como os professores, eles também, quando ensinam, aprendem.

Dessa forma, Piva só pode acreditar na Academia, ou melhor, na Universidade - ele é anti-acadêmico - quando ela se transformar numa coisa viva, isto é, num terreiro de candoblé. Sobre isto, diz ele:
A universidade é o túmulo da poesia. Eu só fiz curso superior para poder dar aula. Não podia lecionar com dois livros publicados. Lecionei por quinze anos. Tudo o que me deram para ler na universidade ou era sucata ou eu já havia lido. Insisto em que as universidades devem ser transformadas numa coisa viva, isso é, num terreiro de candomblé. Com pais-de-santo, ou xamãs, no lugar dos professores, de modo a propiciar aos alunos uma verdadeira iniciação. As universidades precisam de um corpo docente e um corpo indecente (risos).
Os Orixás da Umbanda e do Candoblé condenam o puritanismo; todavia, querem seus filhos de fé limpos. Para isto, todos os Orixás contribuem para o fim último: se Exú manda as crianças se sujarem na terra, Ogum depois os manda se banhar, ficar limpos. É um corpo indecente e outro corpo decente, a fim de que a vida não fique retida, presa em sentimentos neuróticos de pureza e de pré-conceitos.

Assim é a poesia de Piva, funcionando como Exú e Ogum ao mesmo tempo. Transgredindo e reformando. Não negando de maneira alguma o homem, nem mesmo a Deus e aos deuses, pois, o homem que nega o homem, tal como muitos poetas metafísicos fazem, dão o cú no mictórios, tal como ele fala sobre os anjos de Rilke.

É uma poesia e uma filosofia liberadora, que desconfia dos argumentos moralistas, das artes moralistas, de quando querem fazer de Apolíneo um veado. Um poeta e um pensador consciente de sua tarefa, que vem fazer o papel da travessura, assim como os seus Orixás travessos da sombra. Corre junto com o princípio ativo da vida, compreendendo muito bem a grande importância da orgia e da sexualidade na vida humana...
Para ver a entrevista dele na Balada Literária, é só clicar aqui, na TV Cronópios.
Para ver a entrevista dele a Fabio Weintraub, é só clicar aqui, na Triplov.com.
Para ler o ensaio Poeta em São Paulo: a paranóia de Roberto Pivva, de Cláudio Willer, é só clicar aqui, também no site da Triplov.com.

Literatura e Blog

O assunto literatura e blog é bastante discutido na cena literária atual. Desde os escritores que estão fazendo sucesso aqui no Brasil, passando por aqueles que ainda se encontram no anonimato até vecendores do Nobel, como o escritor português José Saramago, não são poucos os que se aventuram na blogosfera, publicando uma coisa ou outra em seus blogs pessoais. Até eu que não sou bobo nem nada ando postando meus contos e algumas crônicas nos meus blogs e em blogs de outros também...
No começo, fui convencido de que blog é uma coisa e literatura é outra. Quem me convenceu disto foi a escritora Clarah Averbuck, que tem um blog chamado “Brasileira Preta”. Diz ela:

"Só pra avisar, eu não respondo perguntas sobre blogs. Eu não dou entrevistas sobre blogs nem participo de trabalhos de faculdade sobre blogs. Eu simplesmente não agüento mais essa baboseira de blogs. Chega. Blog não passa de um meio de publicação. O autor do blog, dono e soberano do blog, faz o que bem entender com seu blog. Não existe literatura de blog. Não existe escritor de blog. Blogueiro não é escritor. Escritor não é blogueiro. Não existe escritor de blog. Existe blog enquanto meio de publicação para um escritor. Escritor é escritor. Escritor não é blogueiro. Não sei nada sobre o fenômeno blog. Sequer acho que seja um fenômeno. Nunca mais respondo nenhuma pergunta sobre blog. Por favor, não me incomodem com essas coisas. Sou uma grávida tensa, isso não faz bem. Sem mais..."

Sensacional, mas serve apenas para impressionar. Pelo menos, ela nos dá uma informação à respeito de quais são as perguntas. Ei-las: existe uma literatura de blog? Uma literatura blogueira? Blogueiro é um escritor? O escritor é um blogueiro? Ou tudo não passa de um sonho dentro do outro?

Muitos críticos literários condenam a literatura produzida em blogs por um motivo apenas: os blogueiros vão publicando tudo o que escrevem, sem revisão, sem esforços, e por isso uma porcariada de literatura "c" vem se proliferando nos meios de comunicação. Se eu fosse eles, prescrevem os críticos, parava de escrever e de publicar em blog o quanto é tempo, antes que a peste acabe contaminando aqueles que além de ter talento, sofrem em infinitas revisões antes de lançar algo num livro impresso e bem bonito, com a marca da Cia da Letras e tudo o mais...

Parece que todo mundo anda confuso, sem saber o que é literatura e o que é blog. Realmente, blog é um meio, mas não apenas isto: é a mesa de bar entre o escritor e seus leitores - "mesa de bar", e não uma bancada, com o autor aqui e os leitores lá, sentados nas cadeiras do auditório...
Nessa mesa de bar, o leitor fica mais à vontade para comentar, sugerir, criticar e inclusive elogiar. É aqui que o escritor deixa de ser solipsista para se tornar comunitário. Ele desce do salto e entra no meio do povo, a fim de sofrer o processo de aprendizado do mundo da vida. Tudo então se transforma: autor, leitor, texto, interpretação e compressão - o texto, em muitos casos, já não é o mesmo.

Não que ele muda necessariamente, mas a visão que o autor tem sobre a sua própria obra se amplia, e o mesmo acontece com os leitores que prestam atenção nos comentários dos outros. Aliás, se o comentário fosse usado com honestidade, uma vez que a maioria dos comentadores são gente falsa que apenas o faz para promover o blog que ele também tem, a literatura produzida em blog melhoraria num grau bem maior...

Em poucas palavras, a literatura produzida em blogs passa por um processo de transformação, antes de ser publicadas em livros impressos ou até mesmo em arquivos pdf. São muitos os textos de escritores que tem um certo sucesso atual que passaram por esta transformação. Gente que não tinha muita idéia do que realmente significava a sua literatura, mas que, através dos comentários, das criticas, das sugestões, foram melhorando a comprenssão que tinham de si.

Mas, isto não é tudo. Aqui falo apenas dos textos prontos, ou, na melhor das hipóteses, que o escritor considerava como acabado. E os textos que desafiam o próprio autor e por conseguinte o leitor também? E aqueles textos que nascem de uma idéia, querem ser escritos, e o autor se propõe fazer ao vivo, de pouco em pouco, ou de capítulo à capítulo?

Ainda não tive essa audácia. Tenho três a quatro romances que só sei o começo, que pode dar muito pano para manga, mas, fazê-los assim, na frente de todo mundo, não sei se teria a coragem. Os leitores vão interferir, vão brigar, vão querer escolher o fim, o assunto do próximo capítulo, vão questionar seus critérios, as suas impulsões... E aí? É o mesmo que dar aula no ensino fundamental e médio. É o mesmo que apresentar uma dissertação ou tese no meio de um bando de intelectuais famintos pela auto-afirmação. É se lançar no morro para ver o que os bandidos e traficantes fazem com a gente...

Portanto, há sim uma literatura de blog. Uma literatura completamente diferente daquela do escritor solipsista que primeiro solitariamente escreve, depois passa para alguns verem e finalmente manda para a editora com toda a defesa necessária. Uma literatura pronta, com direito apenas de elogios e criticas, nada mais. Uma literatura bem diferente da escrita no blog: pronta para o diálogo, pronto para modificar-se, transformar-se, e, quem sabe, dependendo de quem conduz, melhorar-se.

Glauber da Rocha.


Hoje vou falar da escritora Ana Paula Maia, autora dos livros "Habitantes das Falhas Subterrâneas", "Sexo, Drogas e Tralalá", "Entre Rinhas, Cachorros e Porcos Abatidos". Olha o que diz o autor do site "Click (In)Versos" sobre essa promissora escritora na cena da literatura brasileira e mundial:

"Uma mulher que escreve com uma voz masculina e mancha o papel com a violência dos meninos que povoam seu imaginário. Uma moça certinha que esconde uma escritora punk, um texto ácido e um humor leve. Ou seja, uma bastarda, como ela mesma se considera, que te arrasta para o lado avesso do cotidiano, para os lugares que poucos gostam de frequentar".

Estranho, não? Uma mulher que escreve com voz masculina e mancha o papel com a violência dos meninos que povoam o seu imaginário... Mas é exatamente isto. Ela disse que já tentou escrever com a voz feminina, num conto, mas, ao ler o que escreveu, percebeu nele a voz de homem. Depois disto, nunca mais se aventurou, e continua escrevendo como se fosse um, povoando a sua narrativa com meninos cruéis.

Ana Paula Maia possui uma narrativa agressiva, violenta, mas com uma certa leveza. Diz que a maioria das histórias que ela conta vem de seus sonhos/pesadelos, onde ela sempre é a vítima. Então ela fica pensando sobre isso, e quando o cotidiano lhe exige algo a mais, põe no papel tudo o que sonhou.

Começou escrevendo um roteiro para um curta-metragem, depois, escreveu o "Habitantes" em dois meses e meio. Não sabia se ia chegar em algum lugar como escritora, mas escrevia. Assim que acabou o romance, mandou para as editoras, sem ter alguma resposta positiva. Então, uma pessoa lhe indicou para a 7 Letras, e seu livro foi publicado.


Depois, participou de algumas antologias, como a famosa "As 25 mulheres que estão fazendo literatura brasileira". Participou também de uma antologia italiana chamada Sexy in Bossa e da antologia "Contos Sobre Tela".


Enquanto era publicada, Ana Paula Maia escrevia o seu "Guerra dos Bastardos". Neste tempo, Fábio Fabretti lhe sugeriu escrever um livro de micro-contos. No começo ela não gostou da idéia, porque gosta de escrever bastante, mas, resolveu aceitar o desafio, e acabou escrevendo o "Sexo, Drogas e Tralálá".

O Entre Rinhas, Cachorros e Porcos Abatidos é uma novela que ela escreveu na internet, é o seu Folhetim Pulp, como costuma dizer. Primeiro, foi publicado os seus três primeiros capítulos na revista Sexy in Bossa com o título: Não deve se meter em porcos que não te pertencem. Depois, quando ela criou o seu blog, o Killing Travis, ela postou o Entre Rinhas, Cachorros e Porcos Abatidos, que é uma história violenta e difícil de digerir, com certas sátiras políticas.

No seu blog, Killing Travis, tem três contos que se pode ler de graça. São narrativas curtas, rápidas, com nítida estética contemporânea, que são os: "32 Dentes", "Teu sangue em meus sapatos engraxados", e "Nós, os excêntricos idiotas". Num deles, Ana Paula Maia dedica seu contos a Santiago Nazarián, nosso autor já conhecido neste blog. É ler e conferir o talento desta escritora com jeito de menina por fora e escritora punk por dentro, ou será vice-versa?

Glauber da Rocha. Não se esqueçam de mim também, lendo o "Muita Ironia e Pouca Vergonha na Cara."

poema de abertura

I

Agora que já não consigo mais tampar a boca do vulcão em final de ciclo, eu saio de cima do topo e corro da explosão de fogo entre lavas e chamas que primeiro sobe ao céu, saundando-o, e depois desce à terra para realizar toda a sua varredura astral.

Desçam!, ó lavas em chamas, e queima toda a cidade que te ignorou! Derrube casas, varre ruas juntos com a iluminação elétrica, e entre nas redes de esgoto para acabar com tudo o que há de mais podre e fétido!

Nade nos rios, mate os peixes já apodrecidos, aniquile as algas e volte para a avenida onde os humanos se encontram desesperados. Abraze e lance chama nos corações dos homens endurecidos; entre no meio das pernas das mulheres prostituídas, e nos bancos em que os corruptos depositam seus roubos e faça uma fornalha verdadeiramente santa!

Queime tudo! Não deixe nada que mereça ser impune! Seja maior que a destruição de Sodoma e Gomorra! Fique na História dos maiores estragos da Natureza! E depois, ah, e depois cesse, para que a chuva regida por Vênus caia e limpe toda a sujeira...

II

Eu olhei para a face mais maravilhosa do Verbo!
E somente quem passa por esta grande experiência,
pode ter o agnosticismo por Filosofia,
e o Deísmo como crença!

Senhores, sabe muito pouco a ciência que odeia o Mistério
e não compreende os símbolos místicos...

Eu mesmo passei por nove anos construindo a mesma casa,
para depois concluí-la e abrir as portas.

Vejam agora, o piso é liso, o carpete é Árabe, e as cortinas, indianas...

O que era apenas areia, cimento e tijolos são agora parecidos com o pão, o vinho e a planta, aquela da Amazônia...

Foram nove anos, Senhores! a jornada cujo início foi batizada por luzes e que me conduziu para um deserto de sofrimento e jejum.

Eu venho de uma espiritualidade demasiadamente forte...

III

De vez em quando eu preciso descer nas profundezas inferiores
e tomar um trago do veneno que oferece o próprio Diabo
para não esquecer que sou filho do Pecado
e que a minha condição é categoricamente humana....

São os senhores que brigam de espada.
São os desbravadores que abrem os terrenos à base de foice,
e os agricutores que trabalham na enxada.
O índio não quer ser cacique à toa.
E para cada mulher bonita e sensual
há em volta sete homens.

Beba pois, e torne-te um malandro!
Levanta a tua guarda e sorria!
Os pobres e miseráveis não usam a inteligência nem a força...

Tenha o que é teu,
Seja o que você é,
Para depois, ter o pleno direito de levantar louvores
e dar a Deus o que é de Deus, oh santo guerreiro...


Glauber da Rocha.

poema de agradecimento.

Oh Senhor Deus do Universo Inteiro; agradeço-te por me deixar nascer nesta Terra de falsos profetas, pastores mercenários e lobos vestidos de peles de cordeiro...


Sim, ó Senhor do Universo, sou muito grato por viver numa Terra de políticos corruptos, de empresários gananciosos, de gente assassina e cruel. Do contrário, oh Senhor, jamais teria tido a chance de morrer a cada dia de sede e de fome, jogado nos corredores da Santa Casa como um moribundo órfão de pai mãe e padrinhos...

Oh, Jesus, agradeço por poder presenciar a arrogância e o egocentrismo da maioria das pessoas, metidas em seus carros de luxos e casrões com mil cercas elétricas e doze mil doberman's furiosos.

Agradeço tudo isto, oh Senhor

Hoje, Senhor, a lua nasceu bonita.

Glauber da Rocha.

Ana Paula Maia.

Escrevi sobre a escritora Ana Paula Maia, e publiquei no blog "A Literatura na Blogosfera". Em breve, escreverei sobre ela aqui também.

A chave de Casa, de Tatiana Salem Levy


Eu pensei que ia demorar um pouco para postar mais algum texto sobre a literatura brasileira, até mesmo porque dois dias atrás publiquei um sobre o escritor pernabucano Marcelino Freire e que provavelmente ainda ninguém leu: tomara, oh Deus tomara que algum dia as pessoas leiam e acompanhe este blog.
Mas eis que navegando na internet e nos blogs, me deparo com esta jovem escritora, linda e magnífica tanto por fora quanto por dentro. Vejam o olhar dela. Não preciso dizer mais nada, no que se diz a sua beleza física. Quanto a sua beleza meta-física, ou seja, para além do físico, tenho muito a dizer.
A jovem escritora, chamada Tatiana Salem Levy, ganhou nada mais nada menos que o prêmio São Paulo de Literatura na categoria de O Melhor Livro do Ano na condição de Estreiante, com o seu romance "A chave de Casa". Nascida em Lisboa, vindo para o Brasil aos nove meses de idade, com ascendência judia, portuguesa e turca, ela escreve um dos melhores romances da literatura judaica brasileira, ao lado de escritores como Moacyr Scliar, Cíntia Moscovitch e Samuel Rawet.
O enredo do livro é a sua missão, incumbida por seu avô, de ir à cidade de Esmirna, na Turquia, para encontrar a sua casa deixada para trás quando tiveram que se exilar no Brasil. A casa e os parentes. A personagem-narradora vai, e no caminho, e na sua estádia e em seu regresso, ela vai se perguntando sobre a sua identidade no mundo: quem sou eu? A questão não consiste em saber qual "raça" ou "nacionalidade", e sim saber "quem" ela é. Portanto, uma questão existencial.
Sobre o livro de Tatiana Salem, diz o poeta Moacir Amâncio no jornal O Estado de São Paulo: "é preciso avisar: não se trata de um livro "típico" cheio de folclore, curiosidades e outros temperos turísticos. Há material étnico no romance, mas isso em função dos questionamentos existenciais que a escritora propõe. Um questionamento feito a partir da errância que marcou o passado da narradora. Descendente de judeus sefarditas da Turquia, cujo ancestrais foram expulsos de Portugal pela inquisição, ela revive no âmbito da família o legado de exílio e segurança a partir da dificuldade de entender a articulação da identidade do indivíduo com o grupo e o conceito do nacional. Em suma, o que é existir de fato, além das ficções ideológicas?"

E sobre a sua estética, diz ainda Moacir Amâncio: "Salém concebeu um painel que se sintetiza na voz da narradora e nas vozes que ela cria e torna suas, confundindo-se com elas. Um rercurso hábil, que lhe permite lidar de modo desenvolto com as diferentes personagens e camadas de espaço e tempo" - para ver este artigo completo, vão no site Germina Literatura.

Mas, voltando à escritora. Ela, além de romancista é contista, tradutora de obras literárias inglesas e francesas e doutora em Estudos da Literatura. Já havia publicado um livro teórico: "A experiência de fora: Blanchot, Foucault e Deleuze", e contos na revista "Ficções 11", nas antologias "Paralelos", e em "25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira". Como vencedora do prêmio São Paulo de Literatura, embolsou 200 mil reais e está escrevendo um outro livro. Além de sua exuberância, a sua voz é linda também. Quem quiser ouvi-la, é só ir em: Letras e Leituras.
Glauber da Rocha.

Marcelino Freire, um pernabucando porreta que dá "gostio" de ler.


Outro autor que vale à pena ler é: Marcelino Feire, pernambucano porreta, arretado, que mora em São Paulo desde os 23 anos, onde ele se sente terrivelmente estrangeiro. Ele, por ser de fora, preferiu o olhar dos pernabucanos e dos nordestinos sobreviventes do grande caos que é São Paulo. Incorporando as suas personagens em primeira pessoa, como quem não escreve mas atua em cima do palco, a sua narrativa é uma espécie de dialeto nordestino misturado com o dialéto paulista e paulistano, carregada de palavrões, repetições, num ritmo perfeitamente poético, que faz dele não um jornalista urbano, mas um estéta da pobreza, da miséria e da exclusão social.

Sobre a sua estética, diz Cláudia Fabiana no Sararau: “Seus Contos Negreiros” me prenderam desde o primeiro instante, levei-os para a sala de aula, para as rodas com amigos, e a cada leitura crescia o impacto da linguagem direta, da pontuação cotidiana, do silêncio significante. Como pequenos socos no estômago que, em uma sequência permanente, machucam pra valer, os contos são curtos, grossos e cantam em tom irônico-mordaz histórias de um Brasil nada heróico.

Agraciado com o prêmio Jabuti, com o seu livro de contos “Contos Negreiros”, publicado pela Record, vem alcançando sucesso de público e é claro, de crítica; ganhando grande destaque na cena literária brasileira atual. Além dos seus livros “Angu de Sangue”, Balé Ralé” e “Racif - Mar que Arrebenta”, ele aparece em antologias de autores como nos livros “Geração 90″ e os “Transgressores”. Ainda, é o organizador da antologia “Os Cem Menores Contos Brasileiros”.

Tem 41 anos de idade, e não perde tempo. Quanse não para em casa, vive “passeando”, como dizem os amigos, envolvido em realizações de projetos literários, como a “Coleção 5 Minutinhos”, onde ele inaugurou o selo eraOdito. É organizador do “Balada Literária”, evento já em sua terceira edição.

Sobre o seu terceiro trabalho enquanto escritor - o primeiro é o de escrever, o segundo, o de conseguir uma editora, e o terceiro, é divulgar-se - diz ele, no site JB online: “é preciso sair do casulo, lançar mãos à obra. Atrás de leitor, o escritor pernambucano vai, jura, até a velório, se o chamarem – porque, em tempos de “celular que apita, toca, fotografa, faz a barba”, o jeito é batalhar a atenção do público, custe o que custar.”

* é um dos editores da PS: SP, revista de prosa e mantém um blog: eraOdito.

Veja a entrevista de Marcelino Freire no Encontros de Interrogação:

Glauber da Rocha.

video

A Literatura na Blogosfera 4 - Daniel Galera.


Daniel Galera é um dos precursores do uso da internet para a Literatura. Escritor e tradutor, tem 13 livros publicados e quatro livros escritos. Em suas traduções, predomina-se a sua preferência por escritores norte-americanos e ingleses da nova geração. Em seus livros, um de contos e três romances, predomina-se a temática existencialista, ou seja: seus personagens são geralmente pessoas passando pelo problema do ser e não ser – além da dificuldade que encontram para se firmarem na vida.

O seu livro de contos chama-se Dentes Guardados, e encontra-se disponível gratuitamente em seu blog Rancho Carne. Vale lembrar que ele é o idealizador da editora Livros do Mal, hoje extinta, junto com os escritores Daniel Pellizzari e Guilherme Pilla. Quando concretizaram a editora, não tinham a intenção de se tornarem famosos e ricos, ou de conseguirem chamar a atenção de uma grande editora, mas apenas de serem lidos. Dentes Guardados foi editado por esta editora.

Daniel Galera foi colunista fixo do fanzine eletrônico Cardosonline, que revelou a escritora Brasileira Preta, isto é, Clarah Averbuck e o escritor Daniel Pelizzari. Hoje, dedica-se unicamente à Literatura, escrevendo e traduzindo. Em seu blog, Carne Rancho, não escreve desde 2007. É escritor da Compainha de Letras desde 2006, quando publicou seu romance: Mãos de Cavalos. Seu último livro, Cordilheira, faz parte do projeto Amores Expressos, desta mesma editora.

Antes destes dois romances, Daniel Galera ainda publicou o seu “Até o dia em que o Cão Morreu”, livro adaptado pelo cinema, ganhando o título de “Cão sem Dono”, dirigido por Beto Brant sob a colaboração de Renato Ciasca. Sem dúvida alguma, é um escritor que merece ser lido.

* Daniel Galera é vencedor do prêmio Machado de Assis de Romances.